Pastora comemora aniversário
22/05/2018
Irmãos da Nova Esperança realizam congresso
28/05/2018
Exibir tudo

Inicialmente, adianto que o subscritor deste texto, jovem cristão como outro qualquer, não tem a pretensão de transmitir qualquer lição de moral, ou, até mesmo, emitir juízo de valor sobre determinado comportamento. Afinal, nossa condição existencial humana é precária e dependemos diariamente da graça do Eterno.

O que se objetiva, na verdade, é uma reflexão sobre alguns motivos pelos quais levam o jovem, que foi salvo e justificado por Deus, a se afastar dos caminhos do Senhor. Inúmeros são os motivos. Todavia, o espaço aqui reservado me permite listar até três deles. Destaco que são motivos “pequenos”.

Sim, porque engana-se quem pensa que só as grandes pedras que fazem o jovem cristão tropeçar. São as pequenas atitudes, pouco notadas, que uma vez negligenciadas, podem nos afastar (incluo-me também) da comunhão com o Senhor. É a partir dessas pequenas coisas que abra-se espaço para toda sorte de males e escândalos.

A primeira delas é a falta de oração. O jovem cristão corre o risco de preencher o tempo com milhares de atividades e acabar por sacrificar o seu tempo de oração e intimidade com Deus. O tempo não para a fim de que tenhamos tempo de orar. Somos nós que temos que parar e se derramar diante do Senhor. Lembre-se: mesmo após enfrentar um dia exaustivo, é melhor sacrificar 15 minutos de sono do que abrir mão de 15 minutos a sós com o Abba.

A segunda razão que pode levar o jovem remido a fraquejar é a falta de envolvimento com a obra do Senhor. O desejo e a chama por fazer algo para o Senhor (e não para o homem), tem se apagado (espero que esteja equivocado). Envolvemo-nos na obra do Senhor, se envolvendo com as pessoas, intercedendo por nossos pastores e líderes, contribuindo moral e espiritualmente para com todos. Descubra e trabalhe o seu dom.

E por último, mas não menos importante, a desordem nas prioridades. Muitos dirão que o que deve ser priorizado na vida é Deus, família e igreja, nessa ordem. Mas será que na prática tal pensamento não passa de uma bela teoria? O que o jovem tem priorizado efetivamente? Não darei a resposta a esse questionamento. Longe de mim emitir qualquer juízo de valor.

Deus sabe de todas as coisas, mas se a sua prioridade como cristão tem estado desorganizada ao ponto de o seu coração ter esfriado espiritualmente (mesmo que por meio de pequenas ações), fazendo com que você parasse de reservar um momento (mínimo que seja) de comunhão, significa que você está longe do Senhor.

Encerro dizendo que servimos a um Deus que conhece todas as nossas probabilidades de errar. Mesmo assim, ele não muda. Continua nos amando. Perdeu-se no caminho? O Eterno o convida uma vez mais a estreitar os laços de amor e comunhão com ele. O propósito é maior que a circunstância. Que Deus nos alcance.

Aux. Sandro Neves, congregação Vila Real